Morre a atriz Marília Pera aos 72 anos

85-marilia-pera-morreu-atriz-morre-mariliapera-aos-72-anos-femur-cancer-noticia-popular
2436 0

Morre a atriz Marília Pêra, nesse sábado(5) no Rio, aos 72 anos. A atriz se tratou recentemente de um desgaste ósseo no fêmur, na região lombar, que a fez se afastar da TV e dos palcos por um ano.

Além de atuar, Marília era cantora, bailarina, diretora, produtora e coreógrafa. Ao longo de sua carreira, fez mais de 50 peças de teatro, 30 filmes e 40 novelas, programas de TV e minisséries, a última delas “Pé na Cova”.

Recentemente, a jornalista Hildegard Angel noticiou em seu blog que Marília estava com câncer. De acordo com ela, a saúde da atriz inspirava “cuidados extremos” e estava respirando com ajuda de um balão de oxigênio. A informação foi negada por familiares, que admitiram apenas que Marília estaria novamente se recuperando em casa de um desgaste no fêmur, doença que a afastou do seriado “Pé na Cova”, em 2014.

Marília retornou ao seriado “Pé na Cova” este ano e atualmente dirigia um espetáculo teatral sobre a atriz americana Marilyn Monroe, interpretada por Danielle Winits.

Dama do teatro brasileiro

85-marilia-pera-morreu-atriz-morre-mariliapera-aos-72-anos-femur-cancer-noticia-popular-3

Filha dos atores Manuel Pêra e Dinorah Marzullo, Marília Pêra pisou no palco de um teatro pela primeira vez aos quatro anos de idade, ao lado dos pais. Dos 14 aos 21 anos atuou como bailarina e participou de musicais e revistas, entre eles, uma versão de “My Fair Lady” protagonizado por Bibi Ferreira em 1962. Fez 28 filmes, entre novelas e minissérie foram 38, mas foi no teatro sua maior produção na carreira: aproximadamente 56 espetáculos, entre dramas, comédias e musicais.

Famosa por suas interpretações de personalidades como a soprano Maria Callas, a cantora Dalva de Oliveira e a estilista Coco Chanel no teatro, Marília se especializou no papel de Carmem Miranda, a quem interpretou cinco vezes.

A primeira foi em “O Teu Cabelo Não Nega” (1963), uma biografia de Lamartine Babo. Depois no espetáculo “A Pequena Notável” (1966); “A Tribute to Carmen Miranda”, no Lincoln Center, em Nova York (1975), dirigido por Nelson Motta (que também foi seu marido); “A Pêra da Carmem”, em 1986 e em 1995; e o musical “Marília Pêra canta Carmen Miranda” (2005), dirigido por Maurício Sherman.

Sua interpretação de “Mademoiselle Chanel” também foi muito elogiada pela crítica, inclusive a francesa. A atriz se apresentou em Paris de 24 de junho a 2 de julho de 2005 e, segundo reportagem do jornal “O Estado de S.Paulo”, foi aplaudida de pé pelos parisienses em todas suas apresentações, em português com legenda em francês.

Seus dotes de cantora também eram notáveis fora do teatro musical. Em 1964, Marília derrotou ninguém menos que Elis Regina em um teste para o musical “Como Vencer na Vida sem Fazer Força”. “Minha voz não era melhor do que a da Elis, mas eu tinha experiência. No mundo, nunca vi ninguém cantando como ela.”

TV e cinema

85-marilia-pera-morreu-atriz-morre-mariliapera-aos-72-anos-femur-cancer-noticia-popular-9

Marília Pêra estreou na TV em 1965, na novela “A Moreninha”. No entanto, seu primeiro grande sucesso na teledramaturgia foi “Beto Rockefeller” (1968), em que contracenou com o ator Luís Gustavo. Seus papeis de maior destaque depois disso foram nas comédias do horário das 19h.

O primeiro deles foi Rafaela Alvaray, em “Brega & Chique”, trama de Cassiano Gabus Mendes que foi ao ar em 1987. No folhetim, Marília interpretava uma perua que, após a morte do marido, tem de abdicar do luxo e viver em um subúrbio vendendo marmitas.

Três anos depois, de volta ao horário das 19h como protagonista de “Lua Cheia de Amor”, no papel de Genu, uma feirante que batalha para dar aos filhos todas as oportunidades que não teve, mas que sofre com o desprezo deles, já que também é bastante simplória. Em 2006, volta em “Cobras & Lagartos”, de João Emanoel Carneiro, no papel de Milu, uma trambiqueira.

O mais recente trabalho de Marília na TV foi como a perua Darlene, a ex-mulher de Ruço (Miguel Falabella) no seriado “Pé Na Cova”. A parceria com o ator e diretor começou em 2010, com a série “A Vida Alheia”, em que Marília interpretava Catarina Faissol, a implacável dona de uma revista de celebridades homônima. Um ano depois, ela interpretou a vilã Maruschka, na novela “Aquele Beijo”, também escrita por Falabella. Em 2013, os dois contracenaram no musical “Alô, Dolly”, que foi um grande sucesso de público.

Embora tenha tido uma carreira bastante prolífica no cinema nacional (fez cerca de 30 filmes), seus trabalhos mais marcantes foram “Tieta do Agreste”, em que interpretava a amargurada Perpétua; “Central do Brasil”, que foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 1998; e o aclamado “Pixote: a Lei do Mais Fraco”, do diretor Hector Babenco, indicado ao Globo de Ouro de 1968.

Fora do palco Marília Pêra se casou pela primeira vez aos 17 anos, com o primeiro homem a beijá-la, o músico Paulo da Graça Mello, morto num acidente de carro em 1969. Da união, nasceu o também ator Ricardo Graça Mello, com quem Marília contracenou em “Pé na Cova”. Mais tarde, foi casada com o ator Paulo Villaça, parceiro em “Fala Baixo Senão Eu Grito”, e com Nelson Motta, com quem teve as filhas Esperança e Nina.

Nos anos 1960, chegou a ser presa durante a apresentação da peça “Roda Viva” (1968), de Chico Buarque, e obrigada a correr nua por um corredor polonês. Considerada comunista, foi presa uma segunda vez quando policias invadiram sua residência, assustando a todos, inclusive o filho de sete anos, que dormia. Em 1989, no entanto, declarou na TV seu apoio ao então candidato Fernando Collor de Melo.

Sobre a morte, em entrevista ao jornal “O Globo”, em dezembro de 2012, falou sobre como a perda de seus amigos a deixava impressionada. “A morte… Uma coisa tem me abalado muitíssimo no último mês. Uma pessoa como Ney Latorraca, que me ligava duas ou três vezes por dia, e ficava uma hora e meia ao telefone. Enquanto ele esteve consciente no hospital, eu fui visitá-lo todos os dias, antes do teatro. Depois que ficou inconsciente, não me deixaram ir. Eu sinto muitíssimo. Roberto Talma está no mesma no hospital. Essa coisa louca que foi morrer Marcos Paulo e Alcione Araújo. Vou para o cemitério, vejo meus amigos naqueles caixões, depois vou para “Pé na Cova”, em que eu e Miguel somos donos de uma funerária. Havia cenas com caixões, os figurantes deitados, e a gente ali, com aquele texto iconoclasta falando dos mortos. É uma consciência da presença da morte, muita tristeza por causa dos amigos, mas com muito bom humor por causa do Miguel. Uma loucura. Mas é interessante.”

85-marilia-pera-morreu-atriz-morre-mariliapera-aos-72-anos-femur-cancer-noticia-popular-6

Fonte: UOL
In this article

Join the Conversation